terça-feira, 25 de abril de 2017

Dia 25 de abril - Memória a São Marcos Evangelista

Resultado de imagem para São Marcos EvangelistaCelebramos com muita alegria a vida de santidade de um dos quatro Evangelistas: São Marcos. Era judeu de origem e de uma família tão cristã que sempre acolheu aos primeiros cristãos em sua casa: “Ele se orientou e dirigiu-se para a casa de Maria, mãe de João, chamado Marcos; estava lá uma numerosíssima assembleia a orar” (Atos 12,12). A tradição nos leva a crer que na casa de São Marcos teria acontecido a Santa Ceia celebrada por Jesus, assim como dia de Pentecostes, onde “inaugurou” a Igreja Católica. Encontramos na Bíblia que o santo de hoje acompanhou inicialmente São Barnabé e São Paulo em viagens apostólicas, e depois São Pedro em Roma. São Marcos na Igreja primitiva fez um lindo trabalho missionário, que não teve fim diante da prisão e morte dos amigos São Pedro e São Paulo. Por isso, evangelizou no poder do Espírito Alexandria, Egito e Chipre, lugar onde fundou comunidades. Ficou conhecido principalmente por ter sido agraciado com o carisma da inspiração e vivência comunitária, que deram origem ao Evangelho querigmático de Jesus Cristo segundo Marcos.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

segunda-feira, 24 de abril de 2017

CNBB lança novo portal para fortalecer a ação evangelizadora da Igreja no Brasil

No dia 26 de abril de 2017 entrará no ar o novo portal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no endereço www.cnbb.org.br.  Com esta inovação, segundo o secretário geral da CNBB e bispo auxiliar de Brasília, dom Leonardo Steiner, a CNBB buscará dar um novo dinamismo na comunicação digital e na ação evangelizadora da Igreja no Brasil, reforçando uma visão de conjunto de sua identidade e ação. Pe. Rafael Vieira, assessor de imprensa da CNBB, explica que a reformulação do portal buscou integrar, em uma só plataforma, as modernas tecnologias para facilitar a acessibilidade das informações e principalmente aumentar a sinergia entre a produção do conteúdo e a sua distribuição nos diversos canais de comunicação da CNBB.  Baseado na ideia de que os usuários poderão acessar a informação, formação e serviços em todos os momentos, lugares e dispositivos, o novo portal trará diferentes espaços editoriais, entre eles o de produção própria da CNBB, com matérias em destaque produzidas e checadas pela equipe de jornalistas de sua assessoria de imprensa. 

Sinergia e parceria

Uma nova dinâmica buscará ser valorizada com este novo portal, explica Pe. Rafael. “Com o novo portal buscaremos valorizar, por meio de um trabalho de sinergia e de parceria, o que é produzido pelos regionais, incentivando que estes mantenham suas páginas sempre atualizadas com as informações relevantes para o conjunto da Igreja”, ressalta. Artigos produzidos pelos bispos brasileiros também terão destaque na nova plataforma. Assim como as informações das comissões, pastorais e organismos da CNBB. O site também conta com espaço para banners de eventos em destaque da Igreja, campanhas, atividades e formulários. O novo portal buscará a combinação de sons, imagens, animações, vídeos e textos para diversos suportes como smartphones, tablets e computadores. A divulgação de notícias dará destaque a informações que se enquadrem no critério de relevância para a Igreja no Brasil, para a CNBB e para as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora.  
Fonte- http://www.cnbb.org.br/

Dia 24 de abril - Memória a São Fidélis de Sigmaringa

Resultado de imagem para São Fidélis (Fiel) de SigmaringaO santo de hoje nasceu em Sigmaringa (Alemanha) no ano de 1577. Seu nome de batismo era Marcos Rei. Era dotado de grande habilidade com os estudos. Marcos era um cristão católico, tornando-se mais tarde um conhecido filósofo e advogado. Porém, havia um chamado que o inquietava: a consagração total a Deus, a vida no ministério sacerdotal. Renunciando a tudo, entrou para a família franciscana, para os Capuchinhos. Enquanto noviço, viveu um grande questionamento: se fora do convento ele não faria mais para Deus, do que dentro da vida religiosa. Buscou então seu mestre de noviciado que, no discernimento, percebeu que era uma tentação. Passado isso, ele se empenhou na busca pela santidade. Seu nome agora se tornou “Fidélis” ou “Fiel’. E buscou ser fiel à vontade de Deus. Estudou Teologia, foi ordenado e enviado à Suíça para uma missão especial com outros irmãos: propagar a Sã Doutrina Católica. São Fidélis dedicou-se totalmente em iluminar as consciências e rechaçar as doutrinas que combatiam a Igreja de Cristo. Depois de uma Santa Missa, com cerca de 45 anos, teve o discernimento de que estava próxima sua partida. Fez uma oração de entrega a Deus e, logo em seguida, foi preso e levado por homens que queriam que ele renunciasse à fé. Fidélis deixou claro que não o faria, e que não temia a morte. Ajoelhou-se e rezou: “Meu Jesus, tende piedade de mim. Santa Maria, Mãe de Deus, assisti-me”. Recebeu várias punhaladas e morreu ali, derramando seu sangue pela Verdade, por amor a Cristo e Sua Igreja.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

domingo, 23 de abril de 2017

Divina misericórdia | Por Dom Aloísio A. Dilli

Bispo de Santa Cruz do Sul

Resultado de imagem para Dom Aloísio A. DilliNesse tempo da celebração da Páscoa de Jesus, só podemos compreendê-la pelo ato misericordioso de Deus. Ele, o Filho, poderia ter mandado seus anjos liquidarem com seus opositores que o queriam prender e matar. Mas, qual manso cordeiro, não agrediu nem se vingou. Ao contrário, do alto da cruz até pediu perdão ao Pai por quem o fazia agonizar e morrer. Ele veio nos provar que todo tipo de agressão e vingança só faz mal a quem as causa, qual  feitiço que cai sobre o feiticeiro. Só vence quem também é misericordioso, perdoa, faz o bem a quem lhe faz o mal... dá a vida para quem a perde, cuida dos mais necessitados, não faz nada para aparecer, não dá banquete só para os amigos, não trai a consciência do bem, da ética, da moralidade, da fidelidade e da dignidade da família... 
Os primeiros cristãos mostraram exemplarmente sua vida misericordiosa. Viviam unidos, repartiam seus bens com os mais necessitados, viviam na simplicidade, frequentavam assiduamente a comunidade, reunindo-se para a oração e a comunhão fraterna... (Cf. Atos 2.21-47). Pedro enaltece a Deus por Ele ser imensamente misericordioso, pois, através da ressurreição do Filho nos deu o direito de viver uma vida completamente nova aqui na terra e, depois desta, ter a vida eterna feliz. Mas isso requer, de nossa parte, a fé nele, tendo a certeza de que Ele, como Deus, nos garante o prêmio depois de uma vida de seguimento  à sua pessoa e de seus ensinamentos. Afinal, não estamos acreditando somente em palavras de um homem. Ele ressuscitou e provou, assim, ter o poder e ser realmente Deus (Cf. 1 Pedro1,3-9). O fato da ressurreição do Filho de Deus mostra sua grande misericórdia para conosco, pois, nada merecemos e nada acrescentamos em benefício dele. No entanto, como fonte do amor, Ele só quer o nosso bem. Ele fez o que fez para nos mostrar também que devemos fazer o mesmo para com o semelhante, tendo os efeitos de benefício para nós mesmos. É o amar por amar e não para obter vantagens. Isso caracteriza a misericórdia. É isso que precisamos para cuidar e promover a vida neste planeta. Jesus tinha compaixão do povo, por ser como ovelhas sem pastor. Ele resolveu ser o Pastor para dar vida a todos. Se aprendermos com Ele, seremos também doadores de vida ao planeta e a tudo o que ele contém, principalmente o ser humano. Precisamos aprender com a divina misericórdia a preservarmos e promover vida digna para todos... dentro do lar, nas profissões, na política e em todo o tipo de convivência humana. Assim teremos mais vida de qualidade para todos nós. Os sinais das chagas, ou estigmas nas mãos, nos pés e no lado esquerdo do peito de Jesus mostram sua grande misericórdia para conosco. Tomé, mesmo depois de duvidado da ressurreição de Jesus, vendo seus estigmas se converteu e se colocou junto aos demais apóstolos para anunciar sua misericórdia divina para todos! (Cf. João 20,19-31).

Dia 23 de abril - Memória a São Jorge

Resultado de imagem para São JorgeConhecido como ‘o grande mártir’, foi martirizado no ano 303. A seu respeito contou-se muitas histórias. Fundamentos históricos temos poucos, mas o suficiente para podermos perceber que ele existiu, e que vale à pena pedir sua intercessão e imitá-lo. Pertenceu a um grupo de militares do imperador romano Diocleciano, que perseguia os cristãos. Jorge então renunciou a tudo para viver apenas sob o comando de nosso Senhor, e viver o Santo Evangelho. São Jorge não queria estar a serviço de um império perseguidor e opressor dos cristãos, que era contra o amor e a verdade. Foi perseguido, preso e ameaçado. Tudo isso com o objetivo de fazê-lo renunciar ao seu amor por Jesus Cristo. São Jorge, por fim, renunciou à própria vida e acabou sendo martirizado. Uma história nos ajuda a compreender a sua imagem, onde normalmente o vemos sobre um cavalo branco, com uma lança, vencendo um dragão: “Num lugar existia um dragão que oprimia um povo. Ora eram dados animais a esse dragão, e ora jovens. E a filha do rei foi sorteada. Nessa hora apareceu Jorge, cristão, que se compadeceu e foi enfrentar aquele dragão. Fez o sinal da cruz e ao combater o dragão, venceu-o com uma lança. Recebeu muitos bens como recompensa, o qual distribuiu aos pobres.”
Verdade ou não, o mais importante é o que esta história comunica: Jorge foi um homem que, em nome de Jesus Cristo, pelo poder da Cruz, viveu o bom combate da fé. Se compadeceu do povo porque foi um verdadeiro cristão. Isto é o essencial. Ele viveu sob o senhorio de Cristo e testemunhou o amor a Deus e ao próximo. Que Ele interceda para que sejamos verdadeiros guerreiros do amor.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/

sábado, 22 de abril de 2017

Dia 22 de abril - Memória a Santa Maria Egipcíaca

Resultado de imagem para Santa Maria EgipcíacaNasceu no Egito no século V, e com apenas 12 anos tomou a decisão de sair de casa, em busca dos prazeres da vida. Providencialmente, conheceu um grupo de cristãos peregrinos que ia para o Santo Sepulcro, e os acompanhou, apenas movida pelo interesse no passeio. Por três vezes quis entrar na Igreja, mas não conseguiu. E uma voz interior lhe fez perceber o quanto ela era escrava do pecado. Ela recorreu a Virgem Maria, representada numa imagem que ali estava, e em oração se comprometeu a um caminho de conversão. Ingressou na Igreja e saiu de seu sepulcro. Com a graça do Senhor ela pôde se arrepender e se propor a um caminho de purificação. Ela foi levada ao deserto de Judá, onde ficou por quarenta anos, e nas tentações recorria sempre a Virgem Maria. Perto de seu falecimento, padre Zózimo foi passar seus últimos dias também nesse deserto e a conheceu, levou-lhe a comunhão e ela faleceu numa sexta-feira. O padre ao encontrar seu corpo, enterrou-a como a santa havia pedido em um recado.
Fonte- http://santo.cancaonova.com/